quinta-feira, 27 de dezembro de 2012

Gritos Mudos

O álbum Gritos Mudos marca um período de transição particularmente difícil para os Xutos. É o primeiro álbum de originais que a banda lança no mercado depois de completados os primeiros dez anos de carreira, 79-89.
Nesta fase os Xutos vivem a ressaca das suas primeiras grandes digressões de promoção aos álbuns Circo de Feras e 88, sendo a deste último extremamente desgastante para a formação.
Gritos Mudos é "cozido" no Brasil, num ambiente distante onde se procura revitalizar o som e o espírito dos Xutos. O trunfo é o tema que dá título ao álbum, recuperado dos tempos em que a banda, mesmo já se impondo, tinha ainda de empurrar esforçadamente as portas que teimavam em não abrir.










sexta-feira, 10 de agosto de 2012

Camisola logotipo Xutos original.

Camisola com logotipo original dos Xutos. Coleção particular, fora de mercado.

quinta-feira, 9 de agosto de 2012

Camisola de futebol XUTOS 30 ANOS

Camisola de futebol alusiva aos 30 anos de carreira dos Xutos. Coleção pessoal, fora de mercado. Criação de Rui Xaruto, 2009.

segunda-feira, 25 de junho de 2012

A Casinha nos relvados do Euro 2012

Artigo publicado pelo jornal desportivo espanhol A Marca, a propósito da associação da música dos Xutos à Selecção de Portugal, no Euro 2012. A Casinha não só é cantada pelos jogadores da equipa como também se faz ouvir nos estádios onde Portugal joga, bem como outro tema forte da banda, Contentores. Página impressa: Página online:

quarta-feira, 25 de abril de 2012

CERVEJA SUPER BOCK XUTOS & PONTAPÉS

Em 2009 os Xutos celebraram 30 anos de carreira. Algumas marcas surgiram associadas ao evento e apareceram no mercado diversos produtos que ostentavam a imagem e a simbologia dos Xutos, também eles uma marca que se fortaleceu ao longo de três décadas. Foi o caso da cerveja Super Bock "Xutos & Pontapés".
Por isso não era surpresa encontrar bases para copo produzidas pela marca, alusivas à banda.

sábado, 21 de abril de 2012

Xutos & Pontapés em edição especial



O disco de 2009 "Xutos & Pontapés" na chamada "Edição à minha maneira", um pack com o cd, uma t-shirt e o bilhete para o concerto exclusivo no Salão Preto e Prata do Casino Estoril, a 20 de Abril desse ano.

sábado, 7 de abril de 2012

Zé Leonel - Conta Estórias (Daquelas que eu vi) - Biografia



Esta é a biografia de Zé Leonel, contada por ele mesmo, editada em Junho de 2010 pela Chiado Editora. Zé Leonel faleceu no ano seguinte, em 21 de Abril. Aqui fica um texto da BLITZ, assinadopor Lia Pereira, que recorda o percurso de Zé Leonel:

Zé Leonel: a história de um dos primeiros punks portugueses

Peça central dos primeiros anos dos Xutos & Pontapés e líder dos Ex-Votos, Zé Leonel faleceu hoje, 21 de abril, vítima de cancro. Recorde o seu percurso.
Zé Leonel , músico que integrou a primeira formação dos Xutos & Pontapés, ainda enquanto Delirius Tremens, morreu esta quinta-feira (21 de abril), vítima de cancro do fígado. A BLITZ recorda alguns dos momentos mais importantes do percurso do músico que viria, também, a liderar os Ex-Votos , criando ainda os projetos Amor de Perdição e Zé Leonel + IVA.

" O punk, para mim, não me trouxe nada de novo ", dizia Zé Leonel em 2008, em entrevista ao site Nova Guarda . "A família, a igreja, a polícia e o estado são um quadrado - isto era o lema punk, mas antes do punk já era o meu. Nunca vivi com pai e mãe, não era batizado pela Igreja e por isso excomungado por ela, estava sempre a comer porrada da polícia e o estado nunca me defendeu. Por isso, para mim não só era fácil ser punk, como dava cartas nessa área", explicava. "Nos Faíscas era apenas isso, uma espécie de megafone entre o público a realçar as palavras de ordem (a minha função nos Faíscas era ser o 'animador cultural')".

Uma das primeiras bandas do punk português, os Faíscas deram o último concerto a 13 de janeiro de 1979, data em que se assinala o nascimento dos Xutos & Pontapés . Foi nessa mesma noite, e na mesma sala - os Alunos de Apolo, em Lisboa - que o grupo de Zé Pedro deu o primeiro concerto: uns suados 10 minutos que ficaram para a história.

"Foi algo que aconteceu, em 13 de Janeiro de 1979, a uma velocidade superior ao que a mente consegue processar", descreveu Zé Leonel ao Nova Guarda. "Sei que tocámos temas como: 'A Tua Namorada', 'Não Me Chames Herói (Chama-me Nº 1)', 'Sexo', 'O Freak e a Freak', 'Sacaninha'...mas pouco me lembro mais. Por outro lado não me esqueço que consegui ir a umas escadas próximas dar uma queca na Cristina e que um repórter se zangou comigo por eu, em cima do palco, ter dito que comia a namorada dele".

Zé Leonel foi vocalista dos Xutos & Pontapés entre 1978 e 1981 , abandonando o grupo antes do primeiro longa-duração da banda. Foi ele que ajudou a escrever "Sémen", inspirada pelo nascimento da primeira filha.


Contava Zé Leonel ao jornal BLITZ, em 1992: "Eu na altura que fiz essa música engravidei uma moça e ela teve uma criancinha, a minha filha . O 'Sémen' e o 'Papá Deixa Lá' são-me queridas porque assinalam a história do meu rebento".


temperamento de Zé Leonel é ilustrado da seguinte forma por Zé Pedro, outro dos fundadores dos Xutos & Pontapés, na biografia Conta-me Histórias , de Ana Cristina Ferrão: "O Zé Leonel era da Encarnação, era um gajo louco, excitado por si próprio , mesmo antes do punk já era destravado, já tinha uma filha com três anos e nem era de mamar muitos copos".

Além das músicas que ajudou a escrever, Zé Leonel era conhecido pelo seu caráter empreendedor e pela grande capacidade de improviso , ao leme dos Xutos & Pontapés.

Em Conta-me Histórias , escreve-se que, em 1979, os Xutos tocaram numa feira de artesanato próxima do Casino Estoril. Como tiveram a ideia? "Ninguém sabe. Falaram com o Zé Leonel e ele entrou logo numa de comerciante: ' Bem, para quatro concertos, são 600 contos '. O homem respondia encabulado: 'Não sabia que era tão caro!?'. 'Então quanto é que estava a pensar pagar?' - perguntava o Zé Leonel sem se desmanchar, mantendo o perfil de 'executivo'. 'Olhe que esta banda vale milhões!'. 'Aí uns 50 contos'. 'Serve, serve!'".

Na mesma obra, Tim reforça o papel central de Zé Leonel nos primeiros anos dos Xutos. " Era o Zé Leonel que arranjava os concertos, que fazia os cartazes à fotocópia , era ele que arranjava as letras, era ele que ia chatear o outro gajo não-sei-lá-onde, era ele que discutia o quem-toca-primeiro-quem-toca-depois, era ele que tratava dos dinheiros. Ele era assim, tinha muito jeito. Podia faltar a um ensaio, ou não fazer nada um dia, mas no próximo já havia duas letras prontas".

Tim, então apenas no baixo, viria a substituir Zé Leonel na voz, aquando da saída deste. "Ele vivia ali ao pé do Camões, em casa da tia (...). Como ele não aparecia [nos ensaios], estava a ficar desligado da evolução da banda ", recorda Tim em Conta-me Histórias .

"Depois da cena inicial, o grupo teve quatro meses em que o nosso gozo de ser banda era ensaiar", acrescenta Zé Pedro "Foi na altura em que fizemos o 'Avé-Maria', as músicas mais complexas. O Zé Leonel por loucura e por coisas, sou-artista-já-estive-em-palco, começou-se a baldar, a perder a dedicação . Era vocalista dos Xutos mas estava sempre fora, não aparecia nos ensaios, andava naquela onda com amigos atrás...".

"A saída do Zé Leonel foi o resultado de um afastamento natural", recorda Tim. Em março de 1981, Zé Leonel deixava de ser vocalista dos Xutos , cujo primeiro álbum, 78/82 , sai em 1982.

11 anos depois de sair dos Xutos três anos após criar os Ex-Votos, Zé Leonel comentava o "equilíbrio de forças" na antiga banda, em entrevista ao BLITZ. "O Kalu não era punk, era um tipo que tinha amigos punks, imagens... O Zé Pedro era punk, o Tim provavelmente era a pessoa que menos tinha a ver com isso tudo e mais com a música. Eu era um gajo filho de pais separados, criado na rua, dava-me com ciganos e tinha problemas religiosos. A minha família era da religião do Foda-se. Tudo isto se refletia na minha performance dos concertos", considerava. "Eu fazia um papel que ainda hoje recordo, que era o de bater nas pessoas todas. E eram muitas - mas ninguém se mexia, era uma atitude punk e eu estava ali era ajavardar".

Nesta altura, os Ex-Votos davam muitos concertos apesar de não terem qualquer álbum lançado, notava o BLITZ. A situação mudaria com Cantigas do Bloqueio , um disco produzido pelo antigo colega Tim, e no qual se incluía o êxito "Subtilezas Porno-Populares" , popularmente conhecido como "Pimba!".

Ao jornal BLITZ, em 1995, já em promoção do segundo disco, Benditos Sejam , também produzido por Tim, Zé Leonel refletia sobre o sucesso de "Subtilezas Porno-Populares".

"Trouxe-nos uma sensação estranha. Teve as vertentes todas. Penso, de vez em quando, que o 'Pimba!' nos empurrou para o lado que nós não queríamos. E não fomos, só que nos tentaram catalogar. Eu estou a aprender isto, sabes? Com esta cara e com estes anos todos ainda estou a aprender como é que este meio funciona. Começo a achar que um gajo vender mais do que 500 discos é um problema".

"No caso das 'Subtilezas Porno-Populares' - que é assim que se chama -, comecei a sentir isso. Comecei a sentir que as pessoas que gostavam do tema, da maqueta e enchiam os locais dos concertos, começaram a reagir de forma diferente depois do sucesso do disco. Isso foi estranho mas, por outro lado, permitiu-nos dar mais concertos do que contávamos e chegar a mais pessoas", explicava a Pedro Gonçalves.

Em Benditos Sejam , os Ex-Votos buscavam um som mais português, nomeadamente através da introdução do acordeão. "É um instrumento muito nosso, muito português. É incrível como há mais gente que sabe tocar acordeão do que baixo". Da discografia dos Ex-Votos constam ainda Cantigas do Faz de Conta (lançado, em 1997, pela BMG) e Cantigas da Vida , de 2001.

Na entrevista ao Nova Guarda, Zé Leonel confessava sentir "orgulho de ter fundado a chispalhada" , referindo-se aos Xutos. "Mas também sinto [orgulho] por ter estado na génese dos Heróis do Mar e dos Peste & Sida e de ter feito os Amor de Perdição e os Ex-Votos, para além de dar as duas mãozinhas aos miúdos que começam agora. O rock, para mim, não é um negócio; é uma opção de vida - o amor! ".

Em 1995, já à frente dos Ex-Votos, garantia ao jornal BLITZ não se arrepender de ter saído dos Xutos: "Todas as pessoas precisam de comer, de ter um amanhã. Eu, na altura, não tinha hipótese de sobreviver se não procurasse ganhar dinheiro para o meu sustento. Eu morava numa tenda. Por outro lado, se tivesse ficado, talvez hoje não nos pudéssemos aturar uns aos outros".

Zé Leonel esteve ainda ligado ao teatro e ao cinema e, aos 40 anos, entrou no curso de Linguística da Faculdade de Letras de Lisboa. Em 2010, lançou Estórias (Daquelas que eu Vi) , uma biografia . Nela, escreveu: "Este livro é dedicado a todos os músicos que trabalham onde não querem, poupando para adquirirem o seu equipamento, que gastam o seu tempo ensaiando, que criam e executam às vezes com um esforço desumano e depois são obrigados a pagar para mostrar o seu trabalho. A esses, peço-lhes que nunca desistam, porque com a nossa luta a música, a arte em Portugal acabará por conquistar o espaço que é seu por direito".


Lia Pereira

Aqui fica o link para aceder à página da BLITZ:

http://blitz.sapo.pt/ze-leonel-a-historia-de-um-dos-primeiros-punks-portugueses=f72825

Xutos - Triplo AO VIVO




O tão aguardado registo ao vivo dos Xutos chegaria em finais de 1988, depois de cancelada, anos antes a edição de 1º de Agosto no RRV, que só seria editado finalmente em 2001.
Este triplo álbum chegou às lojas com o galardão de tripla platina. Foi gravado no Pavilhão d'Os Belenenses" oem 29, 30 e 31 de Julho de 1988. Seria exibido no canal 1 da RTP por duas vezes em 1989.
A primeira versão em cd contém apenas

Alinhamento do triplo álbum Ao Vivo (a bold os temas que transitam para a versão cd original):

Contentores
Carta Certa
Nós Dois
Barcos Gregos
Longa Se Torna A Espera
Mãe
Circo De Feras
N'América
Quero Mais
À Minha Maneira
Para Ti Maria
Conta-me Histórias
Vida Malvada
Prisão Em Si
Avé Maria
Torres Da Cinciberlândia
A Minha Aventura Homossexual Com O General Custer
Submissão
Enquanto A Noite Cai
Nesta Cidade
Doçuras
Remar, Remar
Esquadrão Da Morte
1º De Agosto
Sémen
A Minha Casinha
Morte Lenta
Sou Bom

Em 2009 surge no mercado a terceira versão de Ao vivo, que recupera o alinhamento original do triplo álbum, distribuído por três cd's, e um dvd com o concerto, tal como foi exibido em 1989.

Dizer Não De Vez


Sexto álbum de originais dos Xutos , lançado em 1992.
As edições em vivil e cd.


Hás-De Ver
Lugar Nenhum
Poço De Salvação
Dia De S. Receber
Velha Canção Da Cortiça
Estupidez
Chuva Dissolvente
Lei Animal
Alta Rotação
O Que Foi Não Volta A Ser

sexta-feira, 23 de março de 2012

Xutos, single "Inimigos"




Em 1990 os Xutos criam a banda sonora para a peça teatral "Inimigos", de Nigel Williams, a convite do encenador da mesma, José Wallenstein. A peça esteve em cena no Clube Estefânia, em Lisboa, de Abril a Junho desse ano.

O single "Inimigos" apresenta Kalú a dar voz ao tema principal "Tu aí". Seguem-se "Submissão" - no mesmo registo já conhecido no anterior single "Se me Amas" - "Nunca Fui" e "El Tatu" - do álbum "Gritos Mudos"

Lado A:

TU AÍ - Zé Pedro / Kalú
SUBMISSÃO - Zé pedro / Xutos & Pontapés

Gravado e misturado no
Estúdio TCHA TCHA TCHA
por Ramon Galarza e Carlos Jorge, que também produziram.

Lado B:

NUNCA FUI - Tim / Xutos & Pontapés
EL TATU - Xutos & Pontapés

Gravado e misturado nos estúdios NAS NUVENS, Rio de Janeiro,
Produzido por Paulo Junqueiro e Ramon Galarza

terça-feira, 13 de março de 2012

K7 XUTOS, EDITADA PELA VIDIOFONO


Edição Vidiofono que recupera a imagem de capa do single "Toca e Foge". Esta K7 surge na mesma altura que a edição não oficial de 78-82, em vinil.

Os temas são os seguintes:

Sémen
Quero Mais
Leo
Dantes
Avé Maria

Toca e Foge
Papá Deixa Lá
Quero-te
Viuvinha

Xutos k7 Vidiofono 1990


Edição da Vidiofono que inclui os temas

Quero-te
Sémen
Leo
Dantes
Medo
Morte Lenta
Avé Maria
Queo Mais

domingo, 26 de fevereiro de 2012

Colectânea JOHNNY GUITAR - 1993




Alinhamento:

Censurados - Todos no mesmo barco
Lulu Blind - Go and die
Peste & Sida - Caso crónico
Ena Pá 2000 - Hon hin hon
Ritual Tejo - Tejo
Delfins - Sal, live mix
Rádio Macau - Rock'n'roll (eu é mais)
W.C. Noise - Our point of view
Ramp - Try again
Sitiados - Marcha dos electrodomésticos
Xutos & Pontapés - Remar remar ( Versão completa)

A edição em CD inclui o tema escondido " Formiga Branca", dos Xutos & Pontapés

CIRCO DE FERAS, COL. MÚSICAS DA NOSSA VIDA - POP-ROCK / VISÃO



Edição de Circo de Feras, incluída na coleção "As Músicas da Nossa Vida - Pop Rock Português", da revista Visão, de 2006. Com o CD vem um livro sobre o disco, a banda e contém letras das músicas.


ENTREVISTA TIM - REVISTA EXPRESSO ACTUAL, Nº 1876, 11 OUTUBRO 2008



quinta-feira, 23 de fevereiro de 2012

XUTOS AO VIVO NO ROCK RENDEZ-VOUS EM 1984



Dansa Do Som – LP84RRV001
Compilação de várias bandas
Editado em dezembro de 1984


Xutos & Pontapés – Esquadrão Da Morte; 1º de Agosto
Croix Sainte – The Life Of He
Dead Dream Factory – Candy House
Crise Total – Assassinos No Poder
F.A.S. (Fantásticos Abridões da Selva) – Modernos Europeus
Casino Twist – Corpos A Compasso
Culto Da Ira – Testamento
Ocaso Épico – Intro

CERCO, O ADN DOS XUTOS & PONTAPÉS






quarta-feira, 8 de fevereiro de 2012

CHUVA DISSOLVENTE - MAXI SINGLE

Do álbum "Dizer Não De Vez destacou-se o tema "Chuva Dissolvente". De todos os temas que compunham o álbum foi aquele que mais sucesso alcançou, seguido de perto por outro clássico dos concertos, o "Dia de S. Receber".
"Chuva Dissolvente" teve edição extra em maxi-single. O lado B deste registo é preenchido pelo inédito "Lá", que junta Xana (Rádio Macau) à voz de Tim. Posteriormente o mesmo tema seria incluído na coletânea "Vida Malvada", apenas com Tim na voz.


terça-feira, 7 de fevereiro de 2012

NESTA CIDADE, EDIÇÃO ESPECIAL

Esta é a edição especial, em digipack, do concerto "Nesta Cidade", gravado no Teatro Villaret, em dezembro de 2001. A principal diferença em relação à edição normal é a inclusão de dois temas extra: Leo e Dantes, repescados a 78/82.
"Nesta Cidade" é o segundo disco acústico dos Xutos, após o surpreendente e ovacionado "Ao Vivo na Antena 3".
"Sopram ventos adversos" junta Camané aos Xutos, numa participação que se estende ao clássico "Circo de Feras".





Alinhamento:
N'América
Barcos Gregos
Conchita Morales
Esta cidade
Lugar Nenhum
Pêndulo
Manhã Submersa
Sopram ventos adversos
Circo de Feras
Estupidez
Direito ao Deserto
Vida Malvada
Fim do Mês
Não sou o único
Conta-me Histórias
Leo
Dantes

segunda-feira, 6 de fevereiro de 2012

XUTOS NA BD POP-ROCK PORTUGUÊS

O primeiro número da coleção de BD POP-ROCK PORTUGUÊS é dos Xutos. O autor é Alex Gozblau no seu estilo inconfundível.
O livro inclui uma edição própria do cd Dados Viciados.


O alinhamento do cd, na contracapa.